Varys

De Game Of Thrones BR wiki
Ir para: navegação, pesquisa
Varys
Varys Amoka.jpg
Apelido(s) Aranha
Rugen
Título Mestre dos Sussurros
Aparece
Aparece
Aparece
Mencionado
Aparece
Outros

GoT Logo.jpg
Interpretado(a) por Conleth Hill
Aparições 1º Temporada | 2º Temporada | 3º Temporada | 4º Temporada | 5º Temporada | 6º Temporada

Lorde Varys, conhecido como "Aranha", é um membro enigmático do pequeno conselho real e ocupa o cargo de mestre dos segredos. É um excelente espião do Trono de Ferro, mas sua lealdade é incerta.

Aparência e personalidade

Illyrio e Varys em sua juventude, por Pojypojy ©.

Varys é um eunuco gordo e careca. Costuma usar vestes elegantes, como sedas de cores escandalosas, e chinelos que lhe permitem andar sem ser ouvido. É um tanto quanto afetado e bastante bajulador.

Geralmente esconde seus verdadeiros sentimentos e motivações e usa suas habilidades de espionagem de acordo com os seus interesses. Porém, pelo que se sabe, Varys almeja a estabilidade dos Sete Reinos. Ele frequentemente se refere aos espiões como seu "passarinhos". Muitos nobres o consideram de mau gosto e pouco confiável.

Ele é um mestre do disfarce, capaz de disfarçar sua voz, cheiro e modo de andar, e conhece muitas das passagens secretas dentro da Fortaleza Vermelha.

História

Embora não se possa confiar em nada do que Varys diz, ele alega ter nascido escravo em Lys e vendido bem jovem a um grupo de pantomimeiros que se apresentava nas Cidades Livres, em Vilavelha e, ocasionalmente, em Porto Real. Uma vez em Myr, um homem rico ofereceu uma quantia considerável por Varys ao seu dono, oferta que o homem achou tentadora demais para recusar. Varys temia que o homem fosse usá-lo como muitos senhores usavam garotos pequenos, mas o homem só precisava de seus órgãos genitais para um ritual de sangue. Ele deu a Varys uma poção que o deixou paralisado, mas capaz de sentir dor, e removeu sua masculinidade, jogando os órgãos em um braseiro. Varys afirma que uma voz respondeu ao chamado do homem.

Com o ritual realizado, o homem não precisava mais de Varys, e logo o jogou nas ruas. O grupo a que Varys pertencia já havia partido, de modo que o eunuco foi forçado a mendigar e praticar pequenos furtos. Logo ele se tornou um ladrão melhor do que qualquer outro e foi reconhecido como maior ladrão de Myr, até ser expulso da cidade por um rival. Varys partiu para Pentos, e lá conheceu um pobre espadachim mercenário chamado Illyrio Mopatis. Os dois fizeram sociedade, na qual Varys roubava objetos e Illyrio era contratado para recuperá-los. O estratagema foi um sucesso, e logo Varys e Illyrio fizeram fortuna.

Varys havia chegado à conclusão de que informação era muito mais valiosa do que ouro ou pedras preciosas, de modo que deu um treinamento especial para seus "ratinhos" (depois chamados de "passarinhos" quando ele partiu para Westeros). Varys escolhia órfãos, principalmente os menores, capazes de escalar muros e se espremer por chaminés. Ele os ensinou a ler, com a finalidade de que abrissem cartas, lessem, e depois as deixassem onde estavam para que seus donos não percebessem. Isso multiplicou a fortuna de Illyrio e a fama de Varys atravessou o Mar Estreito, chegando aos ouvidos de Aerys.

Varys começou sua carreira como mestre dos segredos para Aerys, que passou a confiar cada vez mais nele à medida que sua paranóia crescia. Sor Barristan Selmy afirma que a podridão no reino de Aerys começou com Varys. Varys conhecia muitas das passagens secretas da Fortaleza Vermelha, possivelmente mostradas por Aerys para que seus "passarinhos" pudessem transitar secretamente pelo castelo. O eunuco até mesmo alertou Aerys que seu filho, Rhaegar Targaryen, estava reunindo seguidores no Torneio de Harrenhal para roubar o trono do pai. Essa foi a única razão para Aerys ter participado do torneio, sendo que ele não deixava a Fortaleza Vermelha desde o Desafio de Valdocaso.

Durante a Rebelião de Robert, após a Batalha do Tridente, Varys alertou Aerys para que ele não abrisse os portões da cidade para Tywin Lannister, alegando que este era indigno de confiança, mas o rei preferiu ouvir os conselhos do Grande Meistre Pycelle. Segundo Jaime, a única vez que Aerys devia ter dado ouvidos a Varys, ele não o fez.

Mesmo tendo jurado lealdade a Robert Baratheon e depois a Joffrey Baratheon, e continuado no pequeno conselho, Varys parece manter-se fiel a outros objetivos. Ele mantém um acordo com Illyrio Mopatis para ajudar a colocar novamente um "Targaryen" no Trono de Ferro. De fato, foi revelado que Varys salvou o filho de Rhaegar, Aegon, trocando-o pelo filho de um camponês, sendo que este foi o bebê morto por Sor Gregor Clegane. Com o herdeiro salvo, Varys o contrabandeou para lá do Mar Estreito e o entregou a Illyrio, que o deixou sob guarda de um antigo amigo de Rhaegar e outrora Mão do Rei, Jon Connington. Para ocultar as atividades de Connington, Varys espalhou a história de que ele teria morrido de tanto beber após ser pêgo roubando ouro da arca da Companhia Dourada.

Connington ficou furioso com a história, mas Varys alegou que era uma farsa necessária, já que homens que morriam em batalha eram lembrados, enquanto que os que morriam de bêbados eram logo esquecidos.

Eventos recentes

Info Aviso: Esta seção contém revelações sobre o enredo (spoilers).

A Guerra dos Tronos

Após o Torneio da Mão, Varys se disfarçou e foi ter com Lorde Eddard Stark em seus aposentos. Ele o advertiu de que a Rainha Cersei estava tentando matar o Rei Robert, afirmou que só estava disposto a manter o reino em paz e que queria ajudar Eddard a combater os Lannister. Ele também disse que a antiga Mão, Jon Arryn foi envenenado com Lágrimas de Lys pelo crime de "fazer perguntas".

Varys levou ao pequeno conselho o relatório em que Sor Jorah Mormont dizia que Daenerys Targaryen estava grávida, o que resultou na ordem de Robert para que ela e o filho por nascer fossem assassinados. Em seguida, Varys se encontrou com Illyrio nos subsolos da Fortaleza Vermelha, onde os dois discutiram como adiar a guerra entre os Stark e os Lannister até o momento certo.

Quando o Rei Robert morreu, Varys continuou como mestre dos segredos para o Rei Joffrey. Joffrey queria culpar alguém pela morte do pai, e Varys sugeriu que fosse Sor Barristan. Cersei e Joffrey demitiram Barristan, ação que foi julgada tola até pelo pai da Rainha, e ele logo partiu para se juntar com Daenerys no Leste. Isso sugere que a intenção de Varys ao sugerir que demitissem Selmy havia sido essa desde o início.

Varys, disfarçado de carcereiro, visitou Eddard enquanto este estava nas masmorras. Ele convenceu o nortenho a confessar sua traição, mesmo sendo falsa, para que pudesse salvar a vida de Sansa. Em troca, Eddard poderia vestir o negro, atrasando a guerra entre os Stark e os Lannister. Quando Eddard perguntou a Varys a quem ele servia, Varys afirmou que servia ao reino como um todo.

A despeito das intenções de Varys para poupar a vida de Eddard, Joffrey decidiu de última hora exigir a cabeça do traidor diante da multidão, deixando em choque a Rainha Cersei e o próprio Varys.

A Fúria dos Reis

Quando Tyrion Lannister chegou à Porto Real para assumir o cargo de Mão do Rei, Varys se aliou a ele, entregando-lhe relatórios do que acontecia na cidade. Ele também ajudou o anão a tomar a Guarda da Cidade e lhe contou que a Rainha andava dormindo com o primo Lancel Lannister.

Varys também ajudou Tyrion a instalar Shae, ensinando-o um caminho secreto que o permitiria visitar a mulher sem chamar a atenção de Cersei. Nessa época, Varys também relatou a Tyrion as circunstâncias que o levaram a ser castrado.

Também foi revelado que foi Varys quem enviou Gendry Waters com Yoren para a Patrulha da Noite, de modo a evitar que ele fosse assassinado só por ser bastardo do Rei Robert.

A Tormenta de Espadas

Varys ajudou a muitas pessoas no jogo dos tronos. Muitas delas depois suspeitam que Varys, ao invés de ajudá-las, apenas lhes forneceu informações para manipulá-las. De fato, a maioria das pessoas que Varys "ajudou" sofreram quedas dramáticas, como Eddard Stark e Tyrion Lannister. Varys chegou até a testemunhar contra Tyrion durante seu julgamento.

Quando Tyrion foi condenado à morte, Jaime obrigou Varys a ajudá-lo a libertar o irmão. Varys cooperou, mas também mostrou a Tyrion o caminho secreto que dava aos aposentos de Tywin, o que permitiu que o anão o matasse.

O Festim dos Corvos

O tempo de Varys como mestre dos sussurros acabou quando ele foi forçado a ajudar na fuga de Tyrion, que também culminou na morte de Tywin. Apesar de Cersei ter colocado sua cabeça a prêmio, Varys desapareceu sem deixar vestígios. Consta que um carcereiro de nome Rugen também sumiu na mesma noite em que Tyrion fugiu.

No cômodo onde Rugen vivia nas masmorras, o ex-meistre Qyburn encontrou uma antiga moeda de ouro dos reis da Campina, datada de antes da Conquista, e a levou para Cersei. Muitos leitores suspeitam que Rugen era um disfarce de Varys (a descrição dos carcereiros corresponde à descrição de Varys quando ele foi visitar Eddard Stark em seu cativeiro) e que a moeda foi plantada ali por ele para semear a discórdia entre os Lannister e os Tyrell.

Após assumir o cargo de Varys, Qyburn notou que os espiões que vendiam segredos eram muito comuns e fáceis de encontrar. Isso fez Cersei concluir que Varys sempre se superestimou para tornar as pessoas mais dependentes dele e vulneráveis a seus planos. No entanto, Qyburn não consegue ser tão bem informado quanto Varys, carecendo da maioria dos contatos mais importantes que o eunuco tinha.

A Dança dos Dragões

Varys usou as passagens secretas para entrar nos aposentos do Grande Meistre Pycelle e matá-lo. Então enviou um de seus "passarinhos" para buscar Sor Kevan Lannister, que havia se tornado Regente após a queda de Cersei, com o pretexto de que o Grande Meistre tinha uma mensagem importante para ele.

Quando Kevan chegou, Varys atirou nele com uma besta. Em seguida, ele revelou para Kevan que fez isso para que Kevan não pudesse reparar o estrago que Cersei havia feito com as alianças que sustentavam o Trono de Ferro. Disse que Cersei provavelmente iria suspeitar de Tyrion ou dos Tyrell, que os Tyrell suspeitariam de Cersei, e alguém ia acabar culpando os dorneses. De qualquer forma, dúvida e desconfiança iriam corroer as alianças de Tommen. Como Kevan estava morrendo, Varys lhe pediu desculpas e disse que não lhe tinha maus sentimentos, e tinha feito o que fez pelo reino de Aegon VI.

Varys então chamou vários de seus "passarinhos" e lhes disse para acabar com o sofrimento de Sor Kevan.



O texto dessa página foi traduzido e adaptado de A Wiki of Ice and Fire